24 de nov de 2014

Ficar mais velho...


 
E talvez por essa razão, parte das pessoas acreditem que nos tornamos pessoas chatas e sistemáticas.
Ter preguiça de sofrer guarda uma diferença considerável do medo de viver.
Há um espaço intangível, interno e psíquico que só quem tem muito amor a oferecer compreende e respeita esse processo no outro.
Esse espaço é percorrido e mapeado sabiamente, passo a passo, sem agonia e quase imune à preo...
cupação quanto à urgência dos outros... Por isso também somos rotulados como egoístas.
O impaciente, leia-se: aquele que tem um ego maior que o prazer em construir, agonia-se, pressiona ou vai embora.
Por essa razão, muitos não entendem a "chatice" dos "madurões", que preferem a solidão à perturbação daqueles que, a todo custo, só desejam satisfazer as necessidades próprias, pegando carona no trabalho árduo que aqueles tem, meticulosamente agregado aos dias, em busca de si mesmos...
O viver para os SÁBIOS está além do agregar de forma imediata, "bens" que alentem vazios existenciais. Fixam-se muito mais nas pessoas do que nas coisas e administram muito bem a transitoriedade nas relações.
Sentem, vibram, acalentam as próprias ansiedades e sabem esperar.
Dor? Sim.
Crises bem mais e espaçadas e de menor durabilidade.
"Trem bão demais" virar gente grande!!!

Ana Virgínia de Almeida Queiroz

Google+ Twitter Facebook Delicious Digg Favorites More