O muro da Depressão.

Não há dúvidas sobre a importância e influência dos pais na primeira infância de um indivíduo.

Mergulhando no inconsciente.

Muitas pessoas têm receio de fazer psicoterapia.

Um olhar para a depressão

A depressão é diferente do estado deprimido, o qual pode ser resultado de fatos corriqueiros

Tirando a poeira debaixo do tapete

Você sabe que algo não vai bem, mas não sabe como criar espaço para dizê-lo

As relações não curam todas as carências

“Nós escrevemos scripts para outras pessoas encenarem, mas esquecemos de lhes comunicar isso”.

Transtorno do Pânico

A síndrome do pânico enquadra-se no conjunto de transtornos de ansiedade

26 de nov de 2014

Vídeo sobre o amor...

Assim é o amor... primeiro assusta com sua força arrebatadora, depois encanta se nos permitirmos deixá-lo ficar e por fim, promove o desprendimento exalando um ar em estado de plenitude permanente...

Emocionantemente poético!
Uma excelente semana a todos...

Ana Virgínia Almeida Queiroz
Drágeas Psicológicas: www.drageaspsicologicas.com



https://www.facebook.com/video.php?v=687981107923296&set=vb.119823111405768&type=2&theater
Ver mais
This reaction is priceless!

"A alma não tem segredo que o comportamento não revele"

 
Boa noite com: atentemos aos sinais...

Não é beleza, nem apenas inteligência. Não se trata de romantismo ou uma boa condição financeira... tudo isso pode incrementar uma relação, mas o mais importante ainda é a forma como o outro funciona... aquilo que se manifesta na coerência, o comportamento que denuncia vontade, a valorização e outras tantas estruturas de caráter que não conseguem ser mantida...s por mais de 24 horas se não forem verdadeiras... talvez por isso mesmo, tantos se escondem na superficialidade, silenciam e/ou jogam afetivamente...

 

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Carinho pelo whatsapp

Virgínia Woof disse que o prazer de escrever é infinitamente maior do que o prazer de ter os próprios escritos lidos...
 
Mas aí, vem uma criaturinha linda, de essência boa, te lê, te escuta, dá umas sumidas e volta para dizer que nunca te esquece... e ainda tira foto do teu blog para provar que está conectada contigo.
 
A gente não faz ideia da proporção, da intensidade e da distância as quais chegam nossas atitudes... para o bem ou para o mal...Fernanda Cosme, fiquei muito feliz com seu carinho...
 
Definitivamente, felicidade é fácil e não está apenas no capítulo final... são instantes entre uma nota e outra, uma prosa e um conto...

Ana Virgínia Almeida Queiroz

A vida não oferece garantias...

Pois é!

Ele me liga no começo da tarde e diz:
"Ana Vi, preciso da sua ajuda. Indique-me um psicólogo..."
Seu propósito:...

"Minha mulher começou a fazer psicoterapia. Sei que ela vai mudar. Sei que ela vai crescer, ficar mais inteira. Nem que eu queira, conseguirei permanecer sua metade. Não está nos meus planos tomar um caminho contrário ao dela ou mesmo ficar atrás como expectador, enquanto ela se distancia ascendentemente. Quero ser inteiro e merecer estar feliz comigo mesmo e com ela ao meu lado..."

Medo, orgulho ou inveja?

"Pode ser os três?"

Rimos...

E ele já está no processo e nem percebeu...

Por mais seres humanos corajosos quanto ao enfrentamento de suas limitações emocionais!

Se os objetivos vão mudar ao longo do percurso? O que importa? Não há garantia para nada na vida, mas as possibilidades estão aí e sábio daquele que se permite vivê-las...

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Surto benéfico

Das melhores e mais libertadoras descobertas para qualquer pessoa:

um surto pode ser inevitável em razão de inúmeras frustrações que se repetem, impedindo a satisfação em busca do sucesso em investimentos de toda natureza e/ou por alguma fragilidade psíquica instalada.
 
É ainda, uma excelente oportunidade de impulso em direção à integralidade do SER ou à permanência na loucura.
Infelizmente, a...
escolha pela segunda opção acontece de forma inconsciente, sem que se mensure ganhos verdadeiramente saudáveis e amorosos...

Portanto... desejo lentes coloridas a todos e bons cafés porque com ruins... a tristeza vem de com força!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

"A vida necessita de pausas."

Para cada volta que dá o mundo, a alma necessita seguir por espiral ascendente... quero o cheiro e o frescor da chuva, o ninho acolhedor, um corpo são para me abrigar, a mente cristalina, o olhar que sereno beija a fronte dos meus filhos. Quero que o ar que sai de minhas narinas seja puro e perfume meus amores. Que sintam a paz trabalhada, conquistada conscientemente. Desejo que internalizem o meu... amor que de coloração azulada abranda, emanando força e segurança. E de tudo que ainda poderia deixar, desejo apenas a percepção do ser humano que cá habita e que faz da pausa, um item fundamental para o retorno triunfal...
Uma semana iluminada a todos!

"Comer, rezar e amar"?
Primeira etapa concluída com êxito e equilíbrio na dança... por favor, a seguinte!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

"A intriguenta tecnologia"

Há algum tempo removi o aplicativo facebook do meu iphone, permaneci em apenas um grupo, de trabalho, no whatsapp e desconfigurei a opção de visualizarem a última vez que lá entrei. Finalidade? Viver em tempo real minhas relações e compromissos. Estar presente, consciente, inteira e entrar cada vez menos em contato com a preguiça de TER QUE dar satisfação para pseudo relações ou com assuntos que e...m nada ou pouco agregam, furtando-me tempo precioso...

A pessoa visualiza e não reponde? Poxa! Ou está sem tempo ou não está interessada em dar atenção. Sinal que exige uma boa dose de maturidade no que se refere a lidar bem com a disponibilidade alheia, com a nossa urgência ou com a rejeição (o que pode ser a grande oportunidade de criar novas possibilidades, com pessoas diferentes).

Viu, não respondeu, justificou... vai saber se fala a verdade! Nesse intervalo entre o envio e a desconfirmação daquilo que gera incômodo no estômago, ou seja, a incompatibilidade entre a explicação do destinatário "desatento" e a própria leitura sobre a situação, nasce a dúvida sobre confiar na fala do outro, na própria percepção ou na "intriguenta" tecnologia e isso fragiliza, podendo nos tornar totalmente manipuláveis!

Controle, cobrança, fiscalização "afetiva", busca de confirmação quanto ao interesse alheio, são alguns dos itens inseridos em um cardápio amplo que objetiva saciar a fome de amor e aceitação... Virtual? Hum rum... #sqn!

Certos de uma digestão ansiosa e frustrante, o melhor caminho talvez seja, aprendermos a usufruir dos recursos tecnológicos com equilíbrio, reservando-lhe a deliciosa função de mantermos relações saudáveis que cresçam a partir desse limitado contato...

E cá entre nós... ainda está para nascer algo mais gostoso do que um bom café entre pessoas que se "curtem", assim como um telefonema inesperado para dizer "bom dia"... é de arrepiar e aquecer a alma!

O mapear com eficiência uma pessoa, guarda uma necessidade indiscutível do "olho no olho", sem subterfúgios que favorecem o esconder-se em justificativas mentirosas e que passeiam pelo delato das "gaivotinhas". A manutenção de amores e amizades, necessita de pele e até onde compreendo, a informática é "UM" caminho que "PODE" preparar para o melhor e que ainda está por vir...

Seria o virtual, o grande causador da superficialidade nas relações ou o recurso perfeito para fomentar a deficiência afetiva em cada um dos que apreciam "jogos emocionais"?

Não seriam aqueles, os medrosos para o "enfrentamento" de si mesmos por intermédio das relações verdadeiramente amorosas e recíprocas?

E se estes não somos nós, por qual motivo ainda perdemos tempo com eles?

Ana Virgínia Almeida Queiroz

À sombra

Uma das aptidões que promovem diferença entre alguns profissionais da Psicologia, é a compreensão empírica e a aceitação de tudo aquilo que nos habita e que é negado veementemente por "não" promover a sanidade e a dignidade necessárias para sermos merecedores do amor divino.
 
Não nos cabe a doutrinação de almas como na religião, mas a naturalidade incrementada com a técnica para recebermos aquilo... que de mais belo existe no ser humano: o bem e o mal...

Eu simplesmente AMO esse texto que por várias vezes me fez questionar se havia sido eu mesma quem o escreveu...

Ana Virgínia
Drágeas Psicológicas:
www.drageaspsicologicas.com

Bom dia quase tarde!

Eu poderia deixar o tempo correr, enterrando a dor de forma irreversível, mas eu não suportaria!
 
Eu poderia sorrir descontroladamente, camuflando o ódio, o ciúme, a inveja, mas eu não quero!
 
Eu poderia fingir a paz que não tenho só para parecer bem resolvida, mas eu não sei fazer isso!
 
Eu poderia mentir a vaidade, negar a luxúria, escamotear o orgulho, mas acho isso injusto
comigo mesma!
 
Então só me resta a autenticidade, a convicção das minhas mazelas, o chafurdar no melhor e no pior da minha essência e libertar-me do que me acorrenta, ligando-me a qualquer coisa como o "coisa alguma"!
https://www.facebook.com/drageaspsicologicas/photos/pb.204138786293458.-2207520000.1415195638./607736042600395/?type=3&theater

Para Eça de Queiroz

 
 
"EÇA" vai para "ESSA" de Queiroz que extrai o fôlego que ainda nem nasceu do suspiro daquele que o antecedeu...

... um desses dias em que a paixão por não se sabe o porquê e por quem, quer arrebentar o peito e deixar a alma fugir...
 
 
... em que a garganta trava repreendendo a fluidez do impulso que cria, transforma e clama por ser partícula em devaneio no espaço...
 
 
 
 
 
 
 
Obs.: ouvindo o link fica melhor:  fihttp://grooveshark.com/#!/s/Tema+De+Amor/3EHY0W?src=5

Ana Virgínia Almeida Queiroz

"Pássaros criados em gaiolas acreditam que voar é uma doença..."

Em estado de VIRGÍNIA, não obstante o sono...

Aqueles que mais criticam os corajosos, são os que mais temem a própria incapacidade no lidar com as consequências da expansão da consciência... essa, que autoriza ousar, bater asas e fluir.

Atenção para os bipolares, depressivos e perversos inconsequentes, aprisionados na inconsciência de suas limitações afetivas, que tentam te trazer no cabresto ...emocional, despertando a sensação de culpa e inadequação quando sua primeira opção é viver desgarrado da superficialidade, livre e amando o quê e quem quer que seja...

Bons dias para essa semana a todos!

Ana Virgínia
 
 

.. sobre um grande desafio...

.
 
.. sobre um grande desafio...

permaneSER sem complementar a loucura alheia... custe o que custar... doa a quem doer... mesmo que seja a solidão, o ponto de partida para novos amores e rumores.

Porque na selva irmãozinho... quem não luta com as armas que tem, vira farelo na boca de predador!...


Ana Virgínia Almeida Queiroz

E o que você tem feito com as limitações emocionais que gritam aí dentro?

Bom dia com: o que você tem feito com as limitações emocionais que gritam dentro de você?

Adoece?
 
Projeta nas pessoas mais próximas, tentando despertar nas mesmas sentimentos como a culpa, gerando incômodo e se eximindo da responsabilidade no que se refere à mudança interna?
 
Elabora dentro ou fora de uma psicoterapia?...
 
Difícil crescer não?
Complexo olhar para si mesmo diante do espelho e escolher permanecer ali a não sair correndo e pegar o primeiro "trouxa" com potencial para encaixar com suas mazelas existenciais!
 
O afastamento de algumas pessoas pode não guardar nenhuma relação com a ausência de afeto, mas pode sim ser a expressão máxima da preguiça em lidar com a sua irresponsabilidade quanto à forma que age diante de suas próprias dificuldades...

Ana Virgínia

E a vaidade...

 
Bom dia com: sua vaidade é um tiro no pé?

Verdade doída e libertadora...
 
Apenas quando aceitamos a nossa falibilidade e abrimos mão da nossa necessidade de grande importância na vida de alguém é que encontramos pessoas que tem potencial para trocas verdadeiramente amorosas... assim... sem jogos, sem manipulações e "frescurites" de toda natureza...



#bomdemaissercomum

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Aos meus filhos...

O ritual do chá noturno reza que no momento em que os membros da família se reúnem para o transcorrer dos fatos que ocorreram durante o dia, exercitam a troca entre si quando se interessam por aquilo que é verbalizado pelo outro.

Desenvolvem a capacidade da escuta, da síntese e do cuidado no momento de opinar sobre aquilo que está sendo ouvido.

O ritual do chá noturno, permite que cada eleme
nto da família possa escolher uma xícara da coleção. Isso permite a compreensão de que objetos tem que ser curtidos e direcionados para uso sadio, favorecendo a vivência do prazer já em pequeninas coisas.

O ritual do chá noturno, favorece o desenvolvimento no que se refere à escolha (do sabor, da xícara, do incenso e da música) e o rodízio de quem ficará de que lado da mamãe.

Permite ainda, informações sobre os efeitos da referida bebida para um sono satisfatório e o uso comedido do açúcar.

Auxilia no desenvolvimento da união e colaboração para arrumar a mesa com carinho e zelo.

No encontro noturno do chá, tem filha discursando para as eleições de representante de turma e filho desenhando a mãe com toalha de banho na cabeça enquanto indaga como pernilongos tão gordos chegam até o nosso apartamento no quinto andar.

No ritual do chá noturno cabe beijo, abraço e olhares se cruzando entre uma fala e outra... também entre o silêncio quebrado por uma deliciosa gargalhada infantil ao descobrir que os pernilongos na verdade não sobem gordos, mas assim ficam depois que nos chupam a noite inteira...

Uma deliciosa noite a todos!
A minha já está ganha!
MamÃNA

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Ouvir-se


 
Tem nada disso de bruxa, ET, anjinho ou SER mais evoluído!
Antever acontecimentos e comportamentos é resultado de um trabalho interno árduo, sensibilidade aguçada e consciente sobre seus efeitos no organismo e experiências geradoras de aprendizado e transformação lúcidos...
Eu não vim ao mundo só a passeio e essa máxima é levada à sério até de madrugada!
"Ana, como é que você consegue?"
Eu obs
ervo, sinto e só depois eu ajo... e sim! Cabe muita intensidade no agir dessa forma... além de promover autonomia, segurança e desapego...
Nossos filhos agradecem!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Equívocos sobre uma mulher sozinha

Nãããããõooooooo...

Mulher sozinha não é sinônimo de carência ou de amargura sem fim,
nem sinal de que tem temperamento difícil,
nem que está desesperada por sexo...

nem que irá roubar seu marido ou "abrir os olhos" de sua esposa.
 

A solidão feminina não guarda relação apenas com a capacidade, algumas adquiridas em razão das circunstâncias impostas por não ter um par, para girar parafusos (principalmente os da própria cabeça), matar baratas ou trocar pneu de carro.
 

Nem todas deixam de cuidar do corpo por não terem um homem para apreciá-lo e chamar de seu,
nem que está disponível para todo e qualquer tipo de investida... da mais simples ou tosca a mais sofisticada,
nem que trabalha feito louca e cuida dos filhos para não pensar em homem.
 

A mulher sozinha não tem dúvidas sobre o prestígio peniano que não possui e, nem por isso deixa de cavar o próprio espaço na sociedade sem auxílio masculino.
 

Não simboliza necessariamente, que está cega para o que é superficial com o intuito de se iludir e barganhar proteção e "amor" (não se deve subestimar sua inteligência).
 

E MUITO MENOS AINDA (exagerado assim mesmo), de que adora um choramingo vitimizado masculino. Ela deseja um companheiro, nem sempre um filho, ou mais um (no caso, problemático para piorar).
 

Ela pode sim...
 

ser seletiva,
 

silenciar,
 

mensurar,
 

rever decisões e afetos,
 

seduzir porque se ama (deu para entender? Primeiro um, depois o outro na ordem inversa),
 

curtir o travesseiro que por tantas vezes recolheu lágrimas e amá-lo mais do bomba de chocolate,
 

acolher com carinho e amizade elogios, "curtidas, cutucadas e comentários" e ter consciência de que isso ainda é muito pouco para o muito que ela construiu internamente e merece receber de um homem,
 

fazer o que quer e quando der vontade,
 

ceder quando quiser permitir-se conhecer alguém que esteja fora da "vala comum",
aceitar ou recusar convites sem medinho de nunca ter ninguém para partilhar o resto da sua vida,
 

sentir e dizer sim,
 

sentir e dizer não,
 

manter-se doce evitando os extremos do movimento feminista,
 

estar com a depilação em dia para si mesma... rá!
 

comer para ter saúde,
 

dormir bem e acordar melhor ainda,
 

não se importar se parecer antipática, bem resolvida, metida... algumas são mesmo e nem disfarçam.
 

Descobrir prazeres que alimentam o corpo e a alma e continuar seguindo sem a expectativa de um par em harmonia com suas conquistas e merecedor de sua imensa capacidade para amar.

"Capiche"?
Não são músculos, calvice, barriga, idade, cor ou credo... é essência!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Estar sozinho

 
Tem dias que sim.
Tem noites que sempre.
Cubro-me da sombra e nunca passo frio.
Excelência, bastar-se é para os fortes.

Ana Virgínia Almeida Queiroz

A lição do silêncio

Aprendamos a apreciar o não dito, porém linear, coerente, direto...
a abrir mão do controle, da expectativa quanto à comunicação mais adequada à nossa segurança emocional...
a desenvolver percepção corporal de si e do outro... ao não contentamento com palavras que promovem alívio imediato...
a decifrar as entrelinhas, o silêncio rompido por conexões mentais, a ansiedade benéfica...
a caminhar...
solitariamente...
a reconhecer garantias no crescimento...
a valorizar a ânsia por conhecermo-nos muito mais do que ao outro... aquele... que provoca sensações estranhas, jamais desenterradas do cômodo mais profundo de nós mesmos...
a calar para perceber a grandiosidade interna, a sabedoria de alma rica...

Ahhhhhhh... feliz demais com os desafios desta vida!
Adoro gente... cada dia mais! Espelhos meus! Deliciosamente inquietantes...
Ouçamo-nos em sons alheios... na comunicação entre essências.

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Saúde mental

 
"Dicando"...

O caminho meus queridos?
Reconhecimento, compreensão e ressignificação emocional...
(...)...


Ana Virgínia Almeida Queiroz

Consciência

 



E tenho dito!
A melhor das loucuras ainda é aquela que só o é, do ponto de vista alheio...
De resto... consciência ainda é o melhor passo dado em QUALQUER direção.


Ana Virgínia Almeida Queiroz




Um VIVA ao não virtual!

Um VIVA ao não virtual!

Ao dito com poucas palavras... no sussurrar da ressonância psíquica ou conversa entre almas... como queira definir... se é que há como decifrar isso...
aos beijos sem fim para acabar, aos abraços que fazem a energia correr pela espinha, de baixo para cima, "indo e voltando, pelo mesmo caminho"...
 
 
 
às pernas bambas de tanto dançar, derretendo na cruzada de olhares ou quando simplesmente nos permitimos "amar",
ao cheiro de sol, suor e café...
às caminhadas sem hora para voltar...
 
Delícia isso!

Aniquilando facebook / messenger do meu iphone em 3,2,1...
 
 Ana Virgínia Almeida Queiroz

Sobre a saudade

Quem cultiva o hábito de papear comigo, sobre xícaras e envolvidos em fumaça de incenso já me ouviu repetir inúmeras vezes que: POSSIBILIDADE também deixa saudade...

O risco? Sucumbir aos apelos da fantasia, mergulhar de cabeça na ilusão, imaginar perdas irreparáveis, sofrer por ausências que nada agregam...

Preferível a morte por saudade daquilo que escapou dos devaneios, da idealização, das
projeções e se mostrou deliciosamente humano à angústia de nunca ter vivido o entorpecer das emoções...

Ai, ai...

Ana Virgínia Almeida Queiroz


 
 

Elucubrando sobre o amor

 
O AMOR é uma das formas que a inteligência encontrou para se manifestar!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

"A autoestima é o sistema imunológico do cérebro"

Um acolhimento verdadeiramente gostoso, à meia luz, respiração pausada, um leve fechar de olhos, odor de incenso pela casa, café ou chá... doce solitude...
Um "não" consciente sobre seus possíveis efeitos, a coragem para encarar seus resultados, o desapego ou a troca genuína com seres inteiros. A aceitação do outro como verdadeiramente é... sem camadas, sem subterfúgios, sem máscaras e sem nos abandonarmos...
 
Um olhar franco que atravessa os limites corporais, a percepção da essência, o permitir-se ao que gera um mínimo de garantia... devidamente mensurado, conscientemente escolhido...
 
Ir além... muito além de uma batida no peito, da cabeça erguida ou de um nariz empinado.
É inteligência em comunhão com a gratidão pela existência... é amor a serviço da sanidade emocional... valorização da alma própria, humildemente...

Ana Virgínia Almeida Queiroz

"Loopings" emocionais

Bom dia com... um ode aos "loopings" emocionais e bem vindo céu astral!

Na cor ou na dor, de montanha russa é que é feita a vida.
 
Façamos do autoconhecimento nosso maior objetivo e espacemos os períodos de crise, minimizando sua durabilidade.
 
Alegria insana, dure o que durar, não gera a mesma alegria oriunda da consciência....
 
Tristeza sem lógica, pode provocar dores infindáveis, recorrentes, diferente daquela sabiamente mapeada e de origem conhecida...
 
"Se o inferno é inevitável, abrace o capeta" e bata um papo com ele.
 
Se o céu é um destino? Aproveite para descansar, recarregue a bateria que a descida faz parte da jornada (levante os braços, abra a boca, grite ou deixe os dentes rangerem, mas encare as deliciosas sensações do desafio que é viver entre altos e baixos).
 
Registremos o aprendizado e solta o som que a subida está logo ali... se é que já não recomeçou e você... nem percebeu...
https://www.youtube.com/watch?v=iCQ0vDAbF7s

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Insônia produtiva


Bom dia com: eis a legenda!

Bendita seja a insônia produtiva!

Valorize mais as coisas às pessoas e corra o risco de ser para sempre escravo da necessidade do reconhecimento alheio, dos jogos de manipulação e da busca inglória por qualquer coisa que nem você sabe o que é....


Ignore os sinais camuflados por "verborrices" e atitudes sedutoras e embarque na ilusão de estar sendo visto e percebido com todo o "amor"
alheio.

Ahhhhh... tudo é tão menos nocivos quando nos apossamos da consciência sobre nossa insignificância perante a imensidão do universo.

Tantos se vendendo por tão nada... por um elogio, um brinde, um sorriso estranho, uma jóia, uma viagem, um jantar...

Bendita seja a insônia produtiva!

Onde os pensamentos dançam com as estrelas até os olhos arderem, fecharem e buscarem o sorriso mais amoroso, nunca antes visto e jamais sentido em abraço acolhedor que carrega junto, o alvorecer de um dia apaixonadamente primaveril.

Ana Virgínia Almeida Queiroz

"O sonho é que leva a gente para frente..."



 
 
E ainda assim é válido refletir até onde damos conta das consequências dos sonhos realizados só pela metade... essa que só depende de nós mesmos.

Onde se quer chegar com um sonho, carece da comunhão com a lucidez para que o sonho então, seja vivido em sua plenitude, mesmo que por um breve piscar de olhos... afinal, o sonho é seu e alegria "plus"é encontrar alguém cujo devaneio emparelhe com o no...
sso... do contrário... vai alegria sem "plus" mesmo. Rá!

 
Ana Virgínia Almeida Queiroz

Prima Vera

Que seja flor o nosso despertar!
Setembro para mim, representa sempre o começo de ano, a possibilidade, o ânimo e a vida que se apresenta em bola de fogo deitando-se em solo seco e florido pelos resistentes Ipês e sensuais Flamboyants...
Setembro traz a terra em afeto platônico pela água e o cheiro de amor quando enfim, se encontram no gotejar de tímidas chuvas e se inundam em sentimentos durant...
e tempestades... é céu estrelado enquanto o choro não vem.
É desabrochar, serenidade abrandando anseios, presença divina em cada pétala que rompe a semente... no canto das cigarras. É passarinho novo no ninho, tatu-bola e criança na rua aproveitando o entardecer uma hora mais tarde...
Setembro é prenúncio de outubro... nascimento, seio da mãe terra, calor, amizade e sorrisos sem fim...
Chega chegando amado mês e traz de volta minha prima Vera!!!!!!

Ana Virgínia Almeida Queiroz





Bonequinha russa


 
Passa-se anos planejando, mensurando o tamanho dos ganhos ou a intensidade da a frustrações para grandes feitos.

Sei que o que vou escrever é conceito "batido" e que transita na boca de qualquer um ou na "Psicologia" encontrada em bancas de jornal... mas aí vai...

Sair da zona de conforto é um processo e não um grande acontecimento... aliás, esse último é, muitas vezes, a conclusão daquele. ...


Quem busca por feitos de magnitude acima da maturidade que traz para lidar com as consequências da mudança, corre, de fato, um grande risco... o de se frustrar fortemente, adoecer e se fechar definitivamente para a dança da vida.

"Andemos" os riscos de forma consciente, ousando a cada conquista que nos fortalece e a cada derrota que nos mostra nossos limites.

A vida só nos oferece possibilidades e nenhuma garantia sobre nossas escolhas... fique parado e viva no você mesmo de todos os dias... arrisque-se e descubra-se uma "bonequinha russa".

Ana Virgínia Almeida Queiroz

"A gente aceita o amor que acha que merece."


Well, well, well... e alguns ainda não vão entender...

Amor tem sido confundido com encantamento...
 

Encantamento é esse negocinho que gela a boca do estômago, iniciando um desconforto nas lagartas que lá habitam...
 

Qualquer coisa favorece seu surgimento... um olhar, um sorriso, uma dança, um beijo, um abraço e a tão falada "química" também já pode dar o ar de sua graça. ...
 

Inicia-se a possibilidade da cegueira racional. É louvável seduzir, envolver aquele se quer conhecer, mapear como provável par.
 

A gente se encanta com pessoas do mesmo sexo, com novos amigos, com o pet na vitrine.
Encantamento é encantamento e só. Pode nos surpreender quando o "objeto encantador" supera nossas expectativas, pode acabar quando as frustra. Chega de forma arrebatadora e vai-se da mesma maneira, mas não sem deixar algum aprendizado, minimizando traumas significativos.

Encantamento tem sido confundido com paixão...
 

Ambos são bem próximos e seria injusto traçar uma linha que os disponha em recipientes quadradinhos.
 

O que os diferencia é o encantamento deixando de ser uma possibilidade de miopia para, em alguns casos, se tornar cegueira sacramentada, diagnosticada e muito bem afinada com a loucura... essa, muito bem instalada por resultados de jogos manipuladores e abuso de controle emocional por uma das partes envolvidas.
A

s lagartas já adquiriram asas e rebeldes, vibram intensamente os novos membros em busca da luz... o retirar das lentes em grau abundante. Uma decepção aqui, pode gerar feridas intermináveis geradoras de crescimento emocional ou de doenças na alma.

Encantamento não é paixão que não é amor...
 

São estágios de um processo que envolve um início certo, meio e fim sem garantias...
 

O deixar-se enredar no encantamento, apesar dos sinais desfavoráveis, é amargar o fel da paixão sem jamais alcançar o amor.
Deixe-se viver de encantamento, alimentando a lucidez, e viva sem maiores expectativas o momento ou, salte o trem antes de perder o próximo...

Cada criatura que por nossas vidas transita, não nos marca, pois já nascemos marcados. Funcionam simplesmente como o dedo que aperta o interruptor de tudo o que já trazemos dentro.

O desejo quase infantil de nos tornarmos importantes para uma outra pessoa, nos faz crer que seja esse um amor de encantamento, para toda a vida, o (a) companheiro (a) dos sonhos. Talvez, por essa razão, há tanta gente se submetendo ao papel de companhia para permanecer nutrindo-se das migalhas do encantamento.

A etapa primeira é frágil, superficial, muito ilusória e guarda uma importância ignorada pela pressa em sair da solidão, pela ansiedade em ser amado. Nos amputa a percepção da essência alheia, nos deixa apegados ao perfume, à luz das velas...

Ahhhhh... se todos possuíssemos a consciência sobre a transitoriedade emocional dos primeiros estágios, construtores da solidez amorosa... seguiríamos em passos lentos, saboreando o doce até onde durasse! Daríamos a devida credibilidade à percepção ofertada pela sabedoria interna! Não estaríamos a lamentar o cansaço resultante de buscas inglórias. Está tudo dentro... que venha o outro mostrar-me como se espelho fosse... que seja eu capaz de permiti-lo até onde ele dá conta e até onde me sinto seguro... sem medos, sem rancores... por amor e respeito a mim... por amor e respeito a ele.

Aos meus amores encantadoramente apaixonantes... amigos de jornada em busca de nossas essências! Obrigada por tudo, sempre!

Ana Virgínia Almeida Queiroz


Sobre os pequenos prazeres

O momento exato para a colheita de bons resultados é aquele onde o raciocínio já elaborado, movimenta-se em direção à ação positiva.

O momento propício para a elaboração do raciocínio é quando pensamentos e sentimentos borbulham frenética e desordenadamente, provocando sensações de perda do controle.

Silenciar, re (lembrar) propósitos, desenhar escolhas, mapear a busca pelo bem- estar são estrat...
égias que apenas funcionam mecanicamente, depois de muito exercício, atenção redobrada aos sinais e objetivos muito bem definidos.

 Pequenos prazeres, podem ou não, ocupar o primeiro lugar na fila em busca do equilíbrio... para isso cada um tem uma bússola interna, intransferível e nada moldada para outros corpos ou essências.
Pequenos prazeres são pequenos e só. Reservam a função única de alegrias fragmentadas e não menos importantes por isso... momentâneos, frágeis, efêmeros, intensos, DESBRAVAdores e deliciosamente desCONCERTANTES.
Já o TODO, ahhhhhhhhhhhh... esse sim, é o verdadeiro motivador, inquietante em busca de nós mesmos, da soma, de tudo que nos torna únicos, belos por nossas contradições e imperfeições, especiais por conta de nossos medos, infalíveis pelo nosso eterno complexo heroico.
Fragmentados ou inteiros... algumas vezes fragmentados, outras inteiros... o que importa é a consciência sobre cada um desses estados.
Qualquer que seja o caminho escolhido o destino é único. O que muda é a extensão da trajetória e o tempo de maturação. Cada um a seu modo... e todos saboreando café, afinal...

... melhor que a consciência, é consciência cafeinada, fotografada no momento exato à queda em direção ao prazer, miúdo e profundamente inspirador... Rá!

Ana Virgínia de Almeida Queiroz

!Infelicidade é questão de prefixo."

 
 
Bom dia com: inPACIÊNCIA também!

Construção:
Sonho, vontade, paixão, coragem, projeto, mensuração, ação e obra!
Relação:...

Sonho, vontade, paixão, coragem, projeto, mensuração, ação e obra!
Tão lógico, tão simples, tão... tão aí bem explicadinho e sinalizado pela sabedoria interna e pelo comportamento do outro, pelo mapeamento dos recursos...
... tudo começa com encantamento e segue para o aprofundamento ou morte, alicerce ou demolição, agonia patológica ou calmaria amorosa...

Um ode à Engenharia Emocional ou... ao EGO a serviço da alma!
#psicoengenhoca

Ana Virgínia Almeida Queiroz

24 de nov de 2014

Ficar mais velho...


 
E talvez por essa razão, parte das pessoas acreditem que nos tornamos pessoas chatas e sistemáticas.
Ter preguiça de sofrer guarda uma diferença considerável do medo de viver.
Há um espaço intangível, interno e psíquico que só quem tem muito amor a oferecer compreende e respeita esse processo no outro.
Esse espaço é percorrido e mapeado sabiamente, passo a passo, sem agonia e quase imune à preo...
cupação quanto à urgência dos outros... Por isso também somos rotulados como egoístas.
O impaciente, leia-se: aquele que tem um ego maior que o prazer em construir, agonia-se, pressiona ou vai embora.
Por essa razão, muitos não entendem a "chatice" dos "madurões", que preferem a solidão à perturbação daqueles que, a todo custo, só desejam satisfazer as necessidades próprias, pegando carona no trabalho árduo que aqueles tem, meticulosamente agregado aos dias, em busca de si mesmos...
O viver para os SÁBIOS está além do agregar de forma imediata, "bens" que alentem vazios existenciais. Fixam-se muito mais nas pessoas do que nas coisas e administram muito bem a transitoriedade nas relações.
Sentem, vibram, acalentam as próprias ansiedades e sabem esperar.
Dor? Sim.
Crises bem mais e espaçadas e de menor durabilidade.
"Trem bão demais" virar gente grande!!!

Ana Virgínia de Almeida Queiroz

Você já abraçou seu anjo da guarda hoje?

Você já abraçou seu anjo da guarda hoje?

Quem dera a vida fosse pouco dinâmica como a resolução de uma equação simples... mas não é.

É inquieta como elétrons girando em órbitas, confusa com variáveis que resolvem surgir no meio da expressão... assim, sem convite... só para tornar o sistema numérico mais desafiador e eletrizante.

Hoje entendo a razão pela qual a Psicologia entra na categoria de...
ciências exatas na hora do vestibular. Se você achava que era só por causa da Estatística, subestimou a força da lógica no que se refere ao comportamento e às emoções.

X, Y, Z... Maria, João, José... Amor, raiva, inveja... enquanto tudo isso nos conduz à perdição em busca de resultados no calor e inquietação das noites mal dormidas, só anjo mesmo para desviar os perigos de fora...

Ainda bem que os ciclos tem prazo para terminar... é quando conta e resultado se mostram coerentemente amantes e os cálculos se apresentam como condutores eficientes na busca pelo equilíbrio.

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Amor é essência

E a tal vitamina é bem essa aí mesma, que promove a cura, que se encontra onde não há ameaça de cobrança ou barganha. 

A "c" de coração, compaixão, cumplicidade, caridade, carinho, capacidade para amar, ser amado, livres de preconceitos, "xeretices" e "frescurites" de toda natureza.

A "c" que não se encontra buscando, mas quando as almas se esbarram, inusitada e despretensiosamente.

 A "c" que s
ugere coerência, discurso linear, ações em sentido único, direto e reto... Sem rodeios, subterfúgios, ambivalências ou manipulações.

Essa que mais do que sugestiva, é entrega segura. É jogar-se no mundo alheio independente do mundo que gira fora e permitir morada para o outro cá dentro. Mundo fora, ditador do fazer e do caminho a ser percorrido rumo à aceitação de tudo o que não se "é".

A tal que arrebata a respiração deficiente, a tristeza pulmonar, o sufoco dos sistemas, oriundos da falta de amor, da carência de si mesmo, da névoa que aleja a consciência...
Está tudo aí... muito além da metade que não nos pertence, do pedaço que não encaixamos ou nos gomos ressequidos do outro... é essência... não é casca!

Gracias à lucidez que às vezes tarda, mas nunca falha!


Ana Virgínia Almeida Queiroz

Seleção natural nas relações

 
 
Falava sobre isso ontem...
O grupo está diminuindo para que espaços se abram para novas afinidades.
O lamento não cabe quando há consciência sobre o dinamismo energético nos conduzindo para novos afetos, mais agregadores, mais verdadeiros... dentro ou fora da família.
Poucos já bastam, mas que sejam de essência semelhante.
Quem não se enquadra na transformação emocional de uma pessoa, naturalm...
ente se afasta... Não dá conta!
Nem lamento...
Ah rá!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

O amor é para poucos

Deixe estar que a chuva é para poucos.
Alguns apreciam apenas seu cheiro, outros se molham e, ainda há aqueles que reclamam, correm para se proteger, tem medo de molhar as vestimentas.
Assim também é o amor...
Alguns apreciam apreciar, outros se jogam e, ainda há aqueles que ficam protegidos sob o guarda-chuva das fantasias...


 Ana Virgínia Almeida Queiroz





"Causa Mortis"

 
 
Charlin Chaplin em uma carta para sua filha Geraldine redigia:
"Seu corpo nu só deve pertencer a quem se apaixonar por sua alma nua."

Cada vez mais desconectados da energia que move em direção à vida, busca-se por ela em toda parte, menos dentro de si mesmo.

A expectativa de que o outro e as coisas são detentores do poder de preenchimento das lacunas existenciais, aumenta proporcionalmente às ...
frustrações de toda natureza e, consequentemente, ao crescimento de transtornos emocionais, resultantes de carências infindáveis.

Sexo deixou de ser um presente que se abre de dentro para fora e a sobremesa passou a ser "devorada" antes do prato principal... assim, sem a percepção do sabor, do odor e da textura.

É "check in" e "check out". Passagem rápida por aeroCORPOS sem raízes profundas, ausentes de bases emocionais bem definidas.

Colecionar histórias sexuais passou a ser mais interessante do que reunir histórias de amor que, mesmo breves, podem ser ainda mais agregadoras do que as primeiras.
A superficialidade tende a ganhar de goleada das relações que favorecem crescimento pessoal.

 A impaciência e o medo no construir relações, impedem que as pessoas se permitam um contato alma à alma. A ânsia é pela resolução rápida do que pulsa no íntimo físico.
Quem não se posiciona como artigo de luxo (e isso, não tem relação com o "se fazer de difícil" para outra pessoa), não pode reclamar ao ser tratado como objeto descartável... como a embalagem de produtos comprados em liquidação do "lápis vermelho".

Ana Virgínia Almeida Queiroz
Drágeas Psicológicas no facebook: https://www.facebook.com/drageaspsicologicas

Psicoterapia

Quem deu conta de um dia buscar tratamento nunca se arrependeu.

O não acertar na primeira escolha não tem relação, obrigatoriamente, com a qualidade do trabalho. Às vezes os conteúdos que começam a emergir na terapia nos incomodam e como estamos habituados a projetar nossas limitações fora de nós mesmos, atribuímos a responsabilidade ao psicólogo.

 Psicoterapia não é tratamento somente para quem ...
está no limite emocional ou passou dele. Aqueles que buscam qualidade de vida nas relações tem obtido grandes ganhos inclusive de ordem física.

 Mudança de padrão comportamental não é fácil. Exige ressignificação de valores, conceitos, crenças e uma dose cavalar de coragem para transmutar tudo isso.
Enquanto uma pessoa faz psicoterapia, tem uma multidão incomodada por ela estar reavaliando o sistema de onde saiu e onde vive.

 Quando um indivíduo muda, todo mundo se sente obrigado a mudar também o que gera medo e necessidade de boicotar o processo daquele que se compromete com o próprio crescimento. Zona de conforto funciona assim também... o indivíduo não quer mudar, não dá conta e atrapalha o crescimento alheio porque isso o força a se mexer.

Enquanto psicóloga, fui acompanhada por 25 anos e sinceramente, não sei de que forma poderia ter meu trabalho positivamente reconhecido caso não tivesse associado o aprendizado técnico com a (re) vivência das próprias dores e ressignificação da minha história de vida. 

Psicoterapia é um investimento em si mesmo de retorno tão certo quanto qualquer outra tratamento.

Ana Virgínia de Almeida Queiroz
Drágeas Psicológicas no facebook: https://www.facebook.com/drageaspsicologicas

"PermaneSER"

Então...
Reflexões visceralmente emocionais me tem feito construir novas formas de sentir e pensar as relações...

Esse negócio de se apaixonar ou amar alguém é muito mais gostoso quando ao outro é atribuído o peso e o valor real de seu papel em nossas vidas...

Cada dia mais apaixonada por algo que emerge de dentro. Tudo o que tem potencial para agregar, funciona como o dedo que aciona o interru...
ptor dessa força que move, impulsiona...

Delícia é viver consciente esse processo e perceber o calor e as cores nas pessoas, artes e paisagens, estando sempre em contato com a força motriz que me torna cada dia mais grata por poder amar sem par...
 
Então...

Que venham os amores, os odores, as cores, os sons, os abraços de chegada e despedida, os momentos, recomeços e finalizações...
Tudo! Tudo! Exatamente tudo é transitório... porém eu, comprometi-me a "permanceSER"...

Ana Virgínia Almeida Queiroz
Drágeas Psicológicas no facebook: https://www.facebook.com/drageaspsicologicas
 
 

Solitude

Solitude é muita coisa diferente de solidão...

É o impacto dos pés passo a passo, gerando vibração corporal consciente.

Vontade de possuir tentáculos para registrar, na velocidade da luz, essa consciência que abrange sabores e odores, alegrias e temores....


É pé enraizado e cabeça no céu.

Relacionar-se com um outro inteiro que, sozinho, também desenha uma trajetória em busca de templos internos.

É não caminhar em vão, mas paradoxalmente, permitir-se viver no silêncio, livre da tirania das horas, leve, presente.

Respirar dores e seus fechamentos, abrindo espaço para o ramo que brota e deseja desenvolver-se.

Solitude é captar semblantes, sensações, paisagens e retê-los em notas musicais ou em perfumadas letras.

É corpo inserido no espaço e casa de alma feliz ... porque pode expandir, não se encerrando na matéria.

Um organismo que protege uma essência e só. Não a limita, não a oprime.

É a certeza do outro em sua existência sem possuir.

O abraço como aconchego em amor despretensioso.

Dormir sozinho e acordar acompanhado de sonhos em formato de projeto.

Ir e vir, parar quando deseja e não ser menos amoroso ou educado por ser livre.

É o olhar contemplativo para aquele que habita em parte do nosso tempo.

O "não" afetuoso e o "sim" porque sim.

Solitude... amor diário por si mesmo e não menos solidário...

Ana Virgínia Almeida Queiroz
Drágeas Psicológicas no facebook: https://www.facebook.com/drageaspsicologicas

"Saudações a quem tem coragem..."

Saudações aos que permanecem no prazer...

de sorrir,
das sensações deixadas pelo vento ao desalinhar os cabelos,
do frio gelando as maças do rosto,...

da caminhada em busca da poesia,
da saída de zona de conforto,
da crença em si mesmo,
de amores e amores e mais amores,
do olhar fitando o horizonte,
da boa nova manifesta nas artes,
da capacidade de sentir o outro,
da gula existencial,
da percepção das bolinhas de arrepio ao tomar bebida quente em dias frios,
sexual em comunhão com amor,
de olhos nos olhos e nada mais precisa ser dito,
da fixação nas pessoas e não nas coisas,
de ser, se permitir, criar e recriar,
de reciclar emoções,
de morrer e renascer,
do desapego,
do regresso,
do abraço,
do abraço com beijo,
do cheiro de café...

Felicidade é fácil!
Simples!

Ana Virgínia Almeida Queiroz
Drágeas Psicológicas no facebook: https://www.facebook.com/drageaspsicologicas

Sobre uma derrota na Copa de 2014

Entre um café, um chá e um chocolate quentes arrepiando uma alma cheia de frio...

Bom dia com: Você sabe perder?
Porque eu ainda estou aprendendo....
Aprendendendo a lidar com pequenas e grandes frustrações e encontrar recursos internos que me aproximem da certeza quanto à força vital que me inclina a caminhar para frente e sempre.

Aprendendo com as despedidas necessárias e involuntárias, revolvendo carências e resfriando parte da euforia para que então a reflexão aconteça.

Aprendendo que parte dos referenciais apreendidos durante algumas décadas, não me levarão à parte alguma a não ser a velhos e demolidos espaços internos.

Que o medo do desamor auxilia a conexão com necessidades superficiais, cegando-me a contemplação do belo... também expresso em dias frios.

E que muito embora corações se unam em momentos diversos, a caminhada é sempre solitária. É preciso compreender e aceitar isso para que amar não se torne um fardo, um boleto de cobrança...

Estar consciente sobre o controle que não nos cabe... esse que sempre vai ao encontro com anseios do ego, é o primeiro passo para a autorizar a fluidez da alma em manifestações plenas de amor.

Ana Virgínia Almeida Queiroz
Drágeas Psicológicas no facebook: https://www.facebook.com/drageaspsicologicas

Google+ Twitter Facebook Delicious Digg Favorites More