13 de jun de 2014

Ser ou ter

Uma noite ensolarada a todos!

Quando enfim os ruídos internos silenciarem, abrandemos a vontade de fazer.

  Não nos curvemos à tirania dos acúmulos, das coisas que se findam às margens do vazio.

  Paremos e ouçamos o nada ecoando dentro do ...
nosso peito. 

  A paz que nasce depois disso é prazer intransferível, é amor em sentido único e que fala de coração para coração...

  Paixões arrebatam e podem matar. Provocam êxtase e ensurdecem a alma.

  Reconhecido seja o amor em sua forma indescritível, iluminadamente azul e de força suave, capaz de calar os cânticos angelicais. O amor nasce, encerra-se e renasce dentro de si mesmo... basta-se...

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Google+ Twitter Facebook Delicious Digg Favorites More