6 de mar de 2014

Viver!

Mas é vivendo mesmo!

Assim, sem a necessidade de romper com todos os padrões. Selecionando referenciais, abrindo mão de parte daquilo que limita.

Ser livre não é estar na "vala comum". Inclui fazer escolhas e consequentemente ser mal interpretada, excluída, rotulada.

Deixo o mal estar para quem se preocupa com a opinião alheia, para quem não sabe lidar com a rejeição, para quem precisa, a qualquer...
preço, de uma palavra de carinho (mesmo que da boca para fora).


"Raspas e restos" são fundamentais entre quatro paredes laborais. Nas fronteiras de minha alma (se é que elas existem), NÃO "me interessam".

Mais vale um olhar leal e acolhedor, acompanhado de um sorriso diante do espelho à incerteza da valorização que vem de fora. O esteriótipo de esquisita, careta ao comum e descartável.

A vida sempre reserva um lugar onde outras pessoas falam o mesmo dialeto, onde as trocas enriquecem e favorecem crescimento.
 
Ana Virgínia - 5 de fevereiro de 2014
 

Google+ Twitter Facebook Delicious Digg Favorites More