O muro da Depressão.

Não há dúvidas sobre a importância e influência dos pais na primeira infância de um indivíduo.

Mergulhando no inconsciente.

Muitas pessoas têm receio de fazer psicoterapia.

Um olhar para a depressão

A depressão é diferente do estado deprimido, o qual pode ser resultado de fatos corriqueiros

Tirando a poeira debaixo do tapete

Você sabe que algo não vai bem, mas não sabe como criar espaço para dizê-lo

As relações não curam todas as carências

“Nós escrevemos scripts para outras pessoas encenarem, mas esquecemos de lhes comunicar isso”.

Transtorno do Pânico

A síndrome do pânico enquadra-se no conjunto de transtornos de ansiedade

16 de out de 2013

"Eu quero uma casa no campo..."


 
Meu canto é assim: cheio de branco a refletir todas as cores, sons de animais, folhas em atrito, mensageiro dos ventos e gargalhadas infantis. Ele exala odor de mato, incenso, terra molhada, corpo com cheiro de Sol, café e bolo assando. Tem gosto de brisa entrando pela janela enquanto bailam as cortinas de fino tecido, de chinelinho descansando frente à poltrona onde também repousa um livro aberto, lido pela metade e sob os óculos. Meu canto inspira paz, amor e a certeza de que os melhores dias são o resultado de um ontem vivido e refletido, de um hoje comedido e um amanhã desejado. Em meu canto cabem tantos sonhos, tanta música e poesia que a poeira visita, mas não faz moradia. Há tanta luz que mesmo à noite não passeiam monstros. Quem chega fica se é do bem e naturalmente se afasta se não o for. Ali pulsam estrelas, pirilampos, vagalumes e ninfas e os deuses o cercam em ritual protetor. Em meu canto já foram derramadas lágrimas, tantas quantas necessárias para meu sorriso se fazer Astro Rei. Nele também cabe o silêncio que cala fundo, apesar das badaladas do velho relógio pendurado na parede. Meu canto é cama pronta para deitar, com lençóis banhados em lavanda. É fogão aquecido para alimentar, banheira de água límpida para aquietar as dores da alma. A esse lugar, todos têm acesso, mas poucos conseguem ficar, pois é necessário muito mais do que vontade para permanecer. Há de se manter afinado com a melodia que vem lá de dentro do sótão, inspirar o odor intangível à matéria e flutuar levemente, tentando sempre e cada vez mais, transpor as imposições do ego.

Ana Virgínia Almeida Queiroz

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=650251728348826&set=pb.204138786293458.-2207520000.1381969037.&type=3&theater
 

Travessia

Sim, é tempo de travessia. Momento para rever, chorar e reeditar a própria história. 

  Sim, é tempo de se desfazer do excesso que mesmo sem utilidade, seguramos por puro apego e medo.

  É hora de olhar para trás e ser grato por tudo, reconhecer falhas, até lamentar, mas recomeçar sempre, seja o que for o dia de amanhã.

  É o instante exato de olhar-se no espelho e ter a certeza de que ali, naquele reflexo, está seu verdadeiro e melhor amigo!
Ana Virgínia Almeida Queiroz
 

Que seu par...


 
 
Que o seu par seja seu espelho e o sendo,
reflita o que de melhor e pior existe em você e os refletindo,
lhe possibilite crescimento pessoal e crescendo,
que construam juntos uma relação cada vez mais recíproca e afetiva, livres do eco...

Ana Virgínia Almeida Queiroz
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Superfície

Assim mesmo!

 Não é bem o que está por fora que causa dor ou provoca arrebentação com o impacto. É o submerso, captado por sentidos diferenciados da matéria. Recebido com a boca do estômago, digerido com dificuldade, causando por tempo indeterminado frustração, ansiedade e desconforto.

 A vantagem de quem se conhece? As crises duram bem menos tempo e o espaço entre elas aumenta a cada degrau de amadurecimento... e, ainda assim, vale tropeçar...

Ana Virgínia Almeida Queiroz
 

Aconchego da alma

Qual o assombro? Há momentos em que voltar-se para dentro faz-se necessário. É a chamada da essência, tentando conscientizar sobre a necessidade de pausa, revolvendo sentimentos e mensurando potenciais. 

  É a alma solicitando aconchego em momento único e até mesmo egoísta.

  E quem disse que é fácil? A concha, embora rígida ou impenetrável, não comporta a força transgressora das emoções. Talvez, por essa mesma razão, a abertura é fundamental... para que se renove ar, a luz e o som, favorecendo a ressignificação.

Bom dia para quem amanheceu encolhido em seu mundo, imerso em seu próprio labirinto...

Ana Virgínia Almeida Queiroz
 
 

Sobre o tempo

Porque o tempo constrói, mas também destrói convicções tão mais mecanismos de defesa do que a manifestação genuína de uma essência humana.
Porque o tempo reconstrói, usando ruínas como base para reestruturar certezas que em algum momento também necessitarão ser revistas...
... e assim caminhamos... como ondas ao mar que trazem e levam para longe lembranças, sentimentos que estruturaram uma existência.

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Formação da ansiedade nas relações

Mensagens truncadas, paradoxais, incoerentes com as atitudes, falta de linearidade na comunicação, desqualificação e malícia são alguns dos ingredientes essenciais para a formação de ansiedade naquele que busca perdidamente compreender e preencher lacunas em uma relação.
A longo prazo e desestabilizado emocionalmente em razão de frustrações frequentes, surge progressivamente, uma marionete humana insegura, fragilizada e em risco psíquico.

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Encontros

 
E acredite... existe alguém que se encontra no mesmo ponto da estrada em que você está. A caminhada reserva longos trechos solitários, mas também te surpreende com vagalumes.
Um dia, teu olhar aflito pousará subitamente sobre o olhar daquele que, assim como você, angustiado buscava atracar a alma. Esse processo dinâmico e vital merece ser vivido intensamente e permanecerá favorecendo novos (re) encontros com seres que, com você, marcharão em direção a LUZ!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Alinhamento

 
Alinhemo-nos!
A lucidez transcende a razão, rompe os limites da matéria!
Sintamos!
A emoção movimenta, faz o sangue e a energia circularem!
Permaneçamos mesmo fluindo!...
Que a correnteza nos conduza para onde nosso desejo necessitar aportar...

Ana Virgínia Almeida Queiroz

A espiral da vida


Quando finalmente compreendemos que a vida assemelha-se à uma espiral, entendemos a razão pela qual, sentimentos deixados em algum ponto da estrada retornam, nos forçando um olhar sobre fatos e pessoas que os auxiliam a deixar as profundezas do inconsciente, atingindo novamente a superfície.
Descemos a espiral, fazemos resgates, ressignificamos e subimos novamente, ou seja, se o que nos atormenta é recorrente, talvez a descida não esteja sendo produtiva. Um mergulho consciente em cada degrau descendente é certeza de que, mais adiante, a conquista de degraus para cima ocorrerá...
 
 Ana Virgínia Almeida Queiroz
 

"Erótica é a alma"

 
Compartilhando esse texto que casa bem com várias reflexões elaboradas e devidamente sentidas na última semana. A grande sabedoria é não estacionar na racionalização sobre o tema, mas perceber-se renovando a cada dia... Ontem eu disse: Onde há amor, a vida se renova. Hoje o post caiu no meu colo. SINCRONICIDADE VIRTUAL?

Ana Virgínia Almeida Queiroz

"Querendo ou não, iremos todos envelhecer. As pernas irão p...
esar, a coluna doer, o colesterol aumentar. A imagem no espelho irá se alterar gradativamente e perderemos estatura, lábios e cabelos. A boa notícia é que a alma pode permanecer com o humor dos dez, o viço dos vinte e o erotismo dos trinta anos.
Erótica é a alma que se diverte, que se perdoa, que ri de si mesma e faz as pazes com sua história. Que usa a espontaneidade pra ser sensual, que se despe de preconceitos, intolerâncias, desafetos. Erótica é a alma que aceita a passagem do tempo com leveza e conserva o bom humor apesar dos vincos em torno dos olhos e o código de barras acima dos lábios; erótica é a alma que não esconde seus defeitos, que não se culpa pela passagem do tempo. Erótica é a alma que aceita suas dores, atravessa seu deserto e ama sem pudores."

"Erótica é a alma", por Fabíola Simões- blog "A soma de todos os afetos"

Expansão





E chegará, para todos, o momento em que clama por expansão a alma! A ânsia de abandonar as velhas vestimentas e abrir o peito para o chamado do universo dentro de si mesmo.
Nesse ponto da estrada, meus amigos, apenas três opções se apresentarão: o crescimento baseado no amor, a loucura ou a comunhão entre eles...
Ana Virgínia Almeida Queiroz

Florescer


 
 
E vamos tirando forças de onde aparentemente não há, leite de pedra e amor da dissimulada indiferença. Felicidade é momento e não expectativa, presente e não passado, real muito real. Fundamental abrir os olhos e ver além do aprendido ressecamento afetivo, sempre há razões para florir!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

A curva


 
(...) Entendo o medo como um ingrediente de forte expressão para todo processo de mudança e reflexão sobre o entregar-se às possibilidades. A curva entraria como elemento que desperta tal sentimento, especialmente por ser desconhecido o que vem depois dela. E como saber se não nos enfronharmos naquilo que sugere o desapego do "controle"? Novamente nos deparamos com as questões referentes ao apego à zona de conforto, à realidade limitada de nós mesmos e a não exploração do universo que se esconde internamente!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

"Por onde andei..."


 
A favor do tempo, os sentimentos são atemporais e possibilitam novas oportunidades de resgate e ressignificação. Maduros, mas os mesmos em essência. Indescritível ver o velho conhecido através de um olhar perdido como pedrinha que ficou em algum ponto da estrada. Volta-se! Resgata-se e vive-se sentindo a vibração da vida que corre no corpo e que teima (ainda bem), de tempos em tempos, em mostrar que o mais valioso no caminhar são os sentimentos que saltam pelos poros, aceleram os batimentos cardíacos e nos fazem engolir seco, cada sensação despertada pelo inusitado.

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Sobre o amor

 
E quando você menos espera, está amando. Mas amando MESMO! Amando com a serenidade de que tanto falam os sábios, os mais experientes. Amando porque conseguiu finalmente se libertar da prisão egóica que fazia com que você se visse no olhar do outro e só a si mesmo que se via, assim... como Narciso! Amando sem as armadilhas da paixão pela própria criança, carente, ferida e internalizada como escrava da dor imputada pelo abandono, pela necessidade de ser aceita e reconhecida como boa. Amando como o ar que penetra lentamente no organismo, presente em cada célula, se percebendo elemento fundamental no fechamento de um ciclo energético e essencial para o encontro com o que de melhor pode haver dentro de si. E de repente... quando você menos espera... está amando. Mas amando mesmo! Quase do jeito cristão de SER!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Psicólogo não nasce pronto.



 
Aos treze anos eu já sabia a profissão que queria. Aos quinze já estava, a pedido meu, em tratamento. Esse processo iniciado ainda na adolescência parou (e não arriscaria dizer que para sempre) em setembro do ano passado, faltando um mês para os meus 38 anos.

Além do acompanhamento com psicólogos, estudei muito, li demais e escrevi mais ainda. Se hoje sou uma psicól...
oga de sucesso, carismática e sensível (definições de vocês e não minhas) só tenho algo a revelar: isso é fruto de muito trabalho interno, muita vontade de crescer e ser melhor a cada dia.
Essa versão que vocês "conhecem" não é original. Já fui remexida, revirada, acolhida, destroçada e remendada - nada mais natural para quem quer compreender e ter a coragem de conduzir outras pessoas por esse mesmo caminho. Se estou inteira e melhor é porque confiei na competência de profissionais preparados do ponto de vista técnico e emocional. Minha cabeça vale ouro, sempre soube disso e por esta razão não poderia entregá-la a alguém que a deixasse do mesmo jeito ou pior. A condução para o abismo de mim mesma tinha que ser feita por alguém que me transmitisse credibilidade e que tivesse se permitido expandir a própria consciência para então me dar a mão e me auxiliar na expansão também da minha.
Não tenham medo de psicólogos, mas saibam escolher. Ele irá com você somente até onde ele foi e isso significa dizer que: das profundezas da alma à superficialidade do ego, transitam inúmeros profissionais - você escolherá aquele que melhor se encaixar às suas necessidades de crescimento.

Feliz dia aos pacientes que nos "obrigam" à capacitação para melhor acolher.

Ana Virgínia Almeida Queiroz
CRP: 01-7250

Autoconhecimento

 
E se objetivas conhecer-te, saibas o quão doloroso e solitário é o processo de autoconhecimento.
Transitar nessa jornada, apesar dos obstáculos, das pedras, do tempo ruim, liberta-nos, pois nos conduz ao conhecimento sobre a verdade de nós mesmos, nossos limites, nossa capacidade de sentir e SER.
Ninguém nos acompanha. Alguns ainda estão estagnados, outros tomaram caminhos diferentes, alguns mais lentos, outros mais à frente... o importante é seguir adiante e sempre!

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Sobre as relações

 
REFLETINDO SOBRE AS RELAÇÕES (só isso!)

Sabe o tipo de pessoa que não demonstra o menor interesse por você?
Que o silêncio sugere estratégia de manipulação e existência do medo?
Que a indiferença é mais uma forma de agressão do que ausência de sentimento e assim fica caracterizada porque a pessoa é mais apegada à raiva do que ao amor? ...

Pois é... sem ciúmes, sentimentos de preterição ou qualquer coisa dessa natureza...

DEIXE IR!
DÊ DE GRAÇA!

A palavra é: RECIPROCIDADE (sem isso nem perca o seu tempo)!

Ana Virgínia de Almeida Queiroz

Moça 2

 
 
Bela, ela, adormecida. Entorpecida pelas células literárias. Em seus sonhos, devaneios dançam, formam-se caminhos rumo ao inconsciente. Pontos luminosos circundam sua memória, deixando um doce hálito ao amanhecer. O hálito dos cultos, dos sensíveis e sensuais... 

 Ana Virgínia Almeida Queiroz

Moça

...da varanda ela podia ouvir o som que as folhas faziam ao se chocarem entre si, enquando duravam as lúdicas brisas...
E de forma branda o sol vinha beijar-lhe o corpo, enquanto ela internamente questionava-se sobre o que gostaria de fazer no segundo seguinte à sensação de pertencimento, com tudo o que a envolvia naquele cenário... talvez uma xícara de café se encaixasse perfeitamente na mesa sob leve toalha... seu plácido corpo lhe daria a resposta.

Ana Virgínia Almeida Queiroz

O remo

O remo além de ter me despertado uma grande paixão é um dos esportes mais completos no tocante ao fortalecimento muscular e à expansão da capacidade respiratória. Ao contrário do que muitos pensam, o esporte em comento envolve principalmente barriga, glúteos e pernas - ...70% e 30% para braços, costas e peito (ideal para as mulheres).

Mas o interessante não é só isso. O esporte envolve muita concentração para que possamos articular de forma harmoniosa movimentos entre braços, tronco, pernas e mãos. O olhar frontal deve ser constante, muito embora o resultado dos movimentos leve o barco para trás. Isso me remete às experiência de retorno ao passado sem a perda do foco no presente e no futuro - dinâmica muito comum nos processos psicoterápicos.

Deslizar sobre as águas, algumas vezes espelhadas e brandas, outras vezes revoltas, me auxilia na administração da ansiedade, ressignificando as condições internas, sem desqualificar as externas. Estar centrada, em posição assertiva é o que efetivamente dá impulso às pernas para lançar-me em qualquer direção que leve ao verdadeiro crescimento (seja muscular ou emocional).

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Convite

 
 
Um frio, um livro, um aconchego, uma bebida quente e a ânsia por um abraço literário.
Letras compondo notas sinápticas e uma melodia a abrandar o burburinho da corrida rotina.
Sentimentos e sensações em busca de um encaixe perfeito.
Ciência dando sentido ao inexplicavelmente vibrante, desconcertante.
Um toque na campainha e um convite para cair na noite, letra a fora...
 
Ana Virgínia Almeida Queiroz


"Andar com fé..."


"Andar com fé eu vou
Que a fé não costuma falhar... " Gil Gilberto

Acordar, olhar pela janela e deixar-se motivar pela revoada que prossegue, independente de asas quebradas, patas tortas, bico rachado ou olho furado... respirando, tomando café e seguindo em frente - mesmo que isso signifique dar pausa para mensurar novas formas de agir.

CAFÉ E ATITUDE SÃO TÃO BONS E EFICAZES SE TOMADOS NA HORA CERTA!
 

Ana Virgínia Almeida Queiroz

Google+ Twitter Facebook Delicious Digg Favorites More