O muro da Depressão.

Não há dúvidas sobre a importância e influência dos pais na primeira infância de um indivíduo.

Mergulhando no inconsciente.

Muitas pessoas têm receio de fazer psicoterapia.

Um olhar para a depressão

A depressão é diferente do estado deprimido, o qual pode ser resultado de fatos corriqueiros

Tirando a poeira debaixo do tapete

Você sabe que algo não vai bem, mas não sabe como criar espaço para dizê-lo

As relações não curam todas as carências

“Nós escrevemos scripts para outras pessoas encenarem, mas esquecemos de lhes comunicar isso”.

Transtorno do Pânico

A síndrome do pânico enquadra-se no conjunto de transtornos de ansiedade

24 de abr de 2012

Educação financeira para crianças

A dificuldade em estabelecer limites

Existe uma linha tênue entre o discernimento quanto à importância dos limites e sua prática. O saber pode ser definido como um processo que envolve um conhecimento empírico somado às inúmeras informações que recebemos acerca de um determinado assunto. A prática vai além disso, pois engloba  a capacidade do indivíduo de exteriorizar por intermédio dos comportamentos o que aprendeu. Normalmente, é um processo difícil por envolver condições emocionais limitadoras, ou seja, adultos que têm a exata noção do que precisa ser feito, podem não dar conta de realizá-lo em razão dessas questões restritivas.

Como exemplo, podemos citar o efeito devastador do sentimento de culpa no tocante à educação dos filhos. Muitos pais se tornam reféns dos desejos intermináveis da prole, regados aos apelos publicitários na tentativa nociva de compensar sensações negativas neles mesmos. E as razões para se “penitenciarem” são inúmeras, como ausência física em razão da profissão, tentativa de evitar que o filho seja marginalizado por não possuir um determinado produto, enfim, a prevalência da cultura do TER em detrimento do SER em boa parte das famílias da atualidade.


Quando e como começa a educação financeira

A educação como um todo, deve envolver, primordialmente, a coerência entre o que é dito e o que é praticado, e para tanto não há idade, mesmo em se tratando do dinheiro. Um bebê não tem discernimento sobre o objeto em questão, mas já é capaz de perceber e internalizar o sistema de crenças, bem como as atitudes dos pais.

Momentos lúdicos envolvendo atividades de troca desde tenra idade podem introduzir conceitos simples sobre o valor das coisas. No que se refere ao dinheiro, propriamente dito, a mesada ou semanada podem ser muito eficazes no tocante ao manuseio do recurso financeiro e o momento mais adequado é quando a criança começa a desenvolver aptidões para as operações de somar e subtrair, entre 5 e 6 anos. O valor pode ser estabelecido de acordo com a idade da criança, aumentando a cada aniversário.

É importante que a criança vincule a mesada à idéia de mérito e isso deve ser explicado a ela. Para receber é necessário que a associe a pequenas responsabilidades, como não deixar brinquedos ou roupas espalhados, por exemplo. Isso introduzirá, para o futuro, a noção sobre salário. Mas atenção quanto a não vinculação da mesada a questões escolares (notas, tarefas, trabalhos). Estudo é obrigação, portanto não deve fazer parte de negociações.

O estabelecimento de metas para poupar também auxilia no tocante à educação financeira. A criança precisa saber com o que ela gostaria de gastar seu dinheiro e, portanto, por quanto tempo deverá poupar para adquirir o que deseja. Ao atingir seu objetivo, o adulto poderá pontuar sobre como a mesma se sentiu com a experiência de poupar para finalmente comprar o que almejava.

Outro aspecto importante é o envolvimento das crianças no momento da elaboração da lista de compras e também em sua execução. Muitos adultos não apreciam levar os filhos ao supermercado e deixam passar a oportunidade de ensinar, na prática, questões sobre o que verdadeiramente é necessário ou não. Reflexões como: “Esse produto é realmente importante e saudável?”, “Você pode escolher entre esse ou aquele, mas não os dois”, “Por que você quer comprar isso?”, “Veja, esse é semelhante aquele e mais caro apenas por causa da marca.” entre outras, possibilitam o desenvolvimento de um discernimento a respeito do que realmente é importante a criança levar para casa e para a vida.


Auto-observação como solução

A relação ensino-aprendizagem não se estabelece apenas em função de objetos que deliberadamente quem que se coloca na condição de educador pretende explorar, mas de igual modo e especialmente daqueles que decorrem de suas atitudes e comportamentos, para cujo resultado concorrem os conteúdos psíquicos do adulto (sentimentos, traumas, crenças, valores).

Faz-se necessário o exercício da auto-observação quanto à forma de se relacionar com o dinheiro para que os ajustes aconteçam, primeiramente nos pais. Uma postura leviana ou de desperdício em relação aos recursos disponíveis – e nesse aspecto importa reconhecer que independe o estrato social em que se situe quem a adota – induzirá fortemente uma tendência à leviandade e ao desperdício.

Para que resultados mais consistentes se produzam, deve-se buscar as origens das necessidades que mobilizam o abuso ou o emprego desarrazoado do dinheiro, as mais das vezes relacionadas com o impulso de completar uma lacuna emocional, raramente preenchida.


Ana Virgína Almeida Queiroz - CRP: 01-7250






13 de abr de 2012

O muro da Depressão

Não há dúvidas sobre a importância e influência dos pais na primeira infância de um indivíduo, no que se refere, principalmente, à formação de seu caráter, bem como na organização de uma estrutura psicoafetiva, definidora da maneira como este perceberá e organizará ações e reações na sociedade.
Estádio do Morumbi – São Paulo, 1º de abril de 2012
Roger Waters, 69 anos, nos presenteia com o clássico The Wall, uma temática muito mais do que atual. Setenta mil corações respondem aos apelos das melodias e dos sons reproduzindo tormentosos momentos bélicos. Bombas, tiros de metralhadoras e até mesmo um avião em queda explodindo no palco promoviam sensações de opressão e ansiedade na plateia. Tudo perfeitamente arquitetado, objetivando uma tomada de consciência pelo público.
A obra em questão retrata a história de vida do artista. Filho da Segunda Guerra Mundial, órfão de pai, criado por uma mãe super protetora, fruto de um sistema educacional precário e repressor, geram um perfil humano depressivo, resguardando-se entre os tijolos que compunham a defesa construída ao logo de sua existência, atrás da qual sentimentos de solidão, medo e vazio são cuidadosamente interpretados por Waters e pelas cirúrgicas projeções no muro que se erguia ao longo do espetáculo.
Inevitável remeter à atualidade. Educação e Psicologia avançaram e a consciência sobre os danos da repressão na formação de nossas crianças já é, para muitas pessoas, ponto indiscutível. Abstraindo os casos de maus tratos e outras situações extremas, percebem-se pais preocupados em favorecer uma vida farta de “alegrias” à prole. No entanto, o mais importante, ainda está para ser despertado; a satisfação em simplesmente SER, observando-se as reais necessidades nas crianças, especialmente as afetivas.
Essa omissão de observância não começou agora e é alterada em sua forma de apresentação a cada nova geração, de modo a garantir o prolongamento e a sedimentação da alienação existencial nas famílias e, consequentemente, na sociedade. Boa parte das pessoas está doente, carente e ausente de si mesma. Não foram treinadas quanto à prática da auto-observação, por intermédio do reconhecimento dos próprios sentimentos, tampouco no que tange à capacidade de desenvolver a autonomia emocional, buscando sempre fora a satisfação de seus anseios. Surgem as compulsões de toda natureza, na tentativa de preencher lacunas internas e encobrir relações fundamentadas em falsas expectativas, na frenética negação da própria dor e na delegação a outrem do poder de proporcionar felicidade plena.
A transferência da responsabilidade para fora de si é constantemente ilustrada nos casamentos, nos relacionamentos entre pais e filhos e por que não dizer na escolha dos nossos governantes. Compomos uma sociedade com um perfil depressivo, onde a maioria alimenta o sonho de dias melhores, sem promover grandes esforços na parte que lhes compete, postura que provoca adiante um padrão de vitimização.
Aquietam-se, acomodam-se, calam e sonham, vivendo nos quatro cantos do país de esperanças em troca de migalhas, do suor das frustrações e dos calos nos dedos provocados pela mudança de canais na televisão. É a busca incessante pelo alto padrão de vida, pela sobrevivência e aceitação na sociedade. Como, então, exigir do cidadão médio mais critério na escolha de seus representantes? As justificativas são inúmeras, envolvendo a deficiência da Educação, bem como a má distribuição de renda e consequentemente o enriquecimento ilícito dos governantes. Mas é a população desprovida de discernimento, critério e senso crítico quem escolhe os representantes. Essa, regada a inúmeras compulsões, a programas televisivos abusivos e reforçadores da mediocridade.

E, assim, a perversidade humana se elege, compondo um enlace perfeito entre padrões depressivos e psicopatas. Um quadro de textura profunda, de raízes íntimas que se refletem no social. O sistema educacional, tão somente, não mudará essa realidade. A família precisa rever valores e reinvertê-los, promover nos filhos habilidades no tocante à autodefesa emocional, conscientizá-los sobre o valor do trabalho, as desvantagens em se “tirar vantagem” e a rejeição intransigente de todo e qualquer tipo de abuso.
Necessita-se de crianças e jovens mais colaborativos, menos isolados nos muros cibernéticos da tecnologia, que interajam com a família, com os grupos, desenvolvendo, assim, habilidades no lidar com o outro. Futuros adultos que se deleitem com as obras literárias, instigadoras da imaginação e da sensibilidade. Que brinquem, descobrindo os limites do próprio corpo e do espaço dos que compartilham dos mesmos momentos lúdicos.



Precisa-se para tanto de pais, educadores e cuidadores mais capacitados em lidar com os próprios recalques, garantidores da fluidez da autenticidade infantil, conscientes da vaidade e da ameaça que saltam de seus inconscientes em vista das próprias necessidades afetivas mobilizadas a partir do convívio com uma criança. Adultos mais tolerantes aos apelos da culpa que os torna reféns, cedendo às invasões publicitárias na busca da compensação pelas suas limitações humanas.
The Wall não é uma ficção e está perfeitamente contextualizada. Não somos filhos da Segunda Guerra Mundial, mas dos apelos consumistas, incentivadores do carrasco verbo TER para então tentarmos SER. Derrubemos o muro! Mas o façamos primeiramente dentro de nós, para que, mais inteiros, rompamos os grilhões que nos escravizam à própria falta de atitude e, feitos homens e mulheres livres, sejamos capazes de formar cidadãos mais conscientes emocional e politicamente, cuja postura diante da vida se revele suficientemente poderosa para operar uma transformação consistente na direção do fortalecimento de uma consciência coletiva verdadeiramente justa e humanizada.
Ana Virgínia Almeida Queiroz - CRP: 01-7250

Referências:
Filme: The Wall - Pink Floyd
Documentário: Criança, a alma do negócio http://www.youtube.com/watch?v=rNlIgEm_5U8
Todas as obras de Alice Miller

The Wall - Nobody Home

Tradução:


Eu tenho um pequeno livro preto com meus poemas
Tenho uma bolsa com uma escova de dente e um pente dentro
Quando eu sou um bom cachorro as vezes eles me jogam um osso
Tenho elásticos mantendo meus sapatos amarrados
Tenho aquelas inchadas mãos azuis
Tenho treze canais de merda na TV para escolher
Eu tenho luz elétrica
E eu tenho intuição
Eu tenho incríveis poderes de observação
E isto é o que eu sei
Quando eu tentar conversar
No telefone com você
Não haverá ninguém em casa
Eu tenho o obrigatório permanente* de Hendrix
E eu tenho as inevitáveis queimaduras de agulha
Bem à frente da minha camisa de cetim favorita
Eu tenho manchas de nicotina nos meus dedos
Eu tenho uma colher prateada numa corrente
Eu tenho um grande piano para escorar meus restos mortais
Eu tenho brilhantes olhos selvagens
Eu tenho um forte desejo de voar
Mas eu não tenho para onde ir
Ooooh Baby quando eu pegar o telefone
Ainda assim não haverá ninguém em casa
Eu tenho um par de botas Gohills
E eu tenho raízes enfraquecidas.

3 de abr de 2012

Um conto para a fobia específica

Quando o ano letivo acabava, uma gostosa ansiedade permeava o ambiente com seu bafo adocicado de férias. Poderia viver por ao menos dois meses as mais fantasiosas experiências nutridas pela ingenuidade infantil que permeava suas vivências e sonhos. Estaria ao lado dos avôs, dos tios e dos primos e tudo aconteceria nesse memorável contexto, revivido a cada ano, com novas percepções. O mar e tudo o que ele envolvia, casado com a sensação de um delicioso abraço solar eram tão aconchegantes quanto o aperto da avó contra o peito. Seios grandes e endurecidos quase a sufocavam de tanto amor.


De imediato, poderia correr até a cozinha e teria o vidro de guloseimas regionais a sua espera e não muito tardaria para refestelar-se no arroz de leite preparado carinhosamente pela mãe de sua mãe. À época, o leite condensado era artigo de luxo e, portanto, guardado a chaves. Mas quando ela estava presente, isso era irrelevante. O ingrediente era usado sem dó na confecção da sobremesa e ainda sobrava na geladeira para que pudesse, diariamente, sugar seu conteúdo pelos dois furinhos feitos na lata. Sentia-se plenamente amada. Suas necessidades de atenção, colo e prestígio eram atendidas sem grandes esforços pela vovó, favorecendo um aumento substancioso da vontade de estar sempre ali, ao seu lado, sorvendo seu cheiro.

Emoções que se repetiam nas semanas festivas típicas dos períodos pós-letivos, ritualisticamente. Tudo em perfeita harmonia, num cenário de infância feliz, não fosse um elemento surpresa na abertura da lata para a raspagem das derradeiras sobras, pois a quantidade do delicioso e cremoso líquido se tornara inacessível pelas pequenas brechas. Uma barata bem adulta, falecidamente feliz e obesa, tinha feito daquela lata seu jazigo perpétuo. Para o azar da única netinha, havia testemunhas, primos homens que não gozavam dos mesmos privilégios. E toda a indignação por tratamento diferenciado em verões a perder de vista, podia se manifestar com prática familiar padronizada. Gargalhadas e piadas regadas a deboche e despeito.

Olhou para a avó, tentando reconhecer sua própria importância, mas ela também gargalhava. Sentiu-se sozinha como em muitos dias do ano, quando sua mãe, precisando trabalhar, a deixava sob os cuidados de outras pessoas. Desde então, conscientizou-se do pavor de baratas. Mas sua história difícil com o referido bichinho não se iniciara ali.

A fobia específica se enquadra entre os transtornos de ansiedade e é um medo que se liga a um estímulo sem nenhuma razão aparente. Muito comum, sendo as mulheres levemente mais propensas ao diagnóstico, possui uma gama infindável de elementos desencadeadores do medo, dos quais podemos destacar ambientes naturais (tempestade, altura, entre outros), situações (pontes, elevadores, direção), animais, incluindo insetos, sangue (ferimento, injeção, cirurgia), etc.

Uma pessoa que sofre o transtorno de fobia específica vivencia o medo de forma desproporcional, provocando incompreensão naqueles que estão a sua volta. Tal sentimento pode modificar a vida do indivíduo, expondo-o ao ridículo, comprometendo sua autoestima, sua profissão e toda sua dinâmica vital. Segundo Ana Beatriz Barbosa Silva, a exposição ao objeto pode gerar uma ansiedade de proporções semelhantes às de um ataque do pânico (mãos frias, tremores, taquicardia, falta de ar, transpiração, entre outros). O diagnóstico é feito observando os comportamentos de esquiva, fuga, medo ou antecipação ansiosa do encontro com o objeto fóbico, com interferências significativas no cotidiano do sujeito, em prejuízo de seu desempenho social e/ou individual, e consequente sofrimento em demasia.

Na história de vida da personagem, o inseto sempre aparecia em contexto familiar associando-se a sentimentos de solidão, inadequação e vergonha ou abandono.  Já na fase adulta e em busca de respostas para o medo, descobriu por intermédio do relato de uma tia materna, que em seu primeiro ano de vida, trabalhava em sua residência uma funcionária que tinha pavor do bicho, fazendo escândalo sempre que um aparecia. Provavelmente, a primeira etapa do seu medo se desenvolveu por intermédio de um processo de aprendizagem e, posteriormente, progrediu em razão da associação do objeto (barata) com a frustração de necessidades afetivas (presença física da mãe, sentimento de prestígio, entre outros).

Mira y López elucida que a carência pode ser um dos motivos para os medos, onde “o Ser necessita de algo vital, busca-o e não o encontra, sente a frustração de seus esforços e esgota sua energia, multiplicando-os. Surge então a suspeita – e logo a crença – antecipadora do fracasso ou renúncia na consecução do desejado e, se isto se torna básico para a prossecução da vida pessoal, o Ser não só sentirá desgosto, tristeza ou decepção, como sofrerá a aguilhoada direta do Medo.”

São atitudes fundamentais para a melhora do quadro: o enfrentamento gradual, objetivando uma dessensibilização do objeto provocador de tal ansiedade e a reavaliação de conceitos acerca do elemento temido, bem como a descoberta de questões emocionais que possam estar atreladas ao emparelhamento do medo ao estímulo do transtorno. Tais medidas podem não extinguir as sensações de forma imediata, mas favorecem um maior controle das sensações e uma ampliação da autoconfiança. “Para se desemaranharem esses ‘novelos psíquicos’ é preciso encontrar-se a ponta inicial que, às vezes, se acha muito distante na linha temporal retrospectiva”, conclui o mesmo autor.


Ana Virgínia Almeida Queiroz – CRP: 01-7250


Suporte Bibliográfico:
- DSM-IV-TR. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais / 2002
- Psiquiatria básica – organizadores: Mario R. Louzã Neto, Thelma da Motta, Yuan-Pang Wang, Hélio Elkis / 1995;
- Livre de ansiedade – Robert L. Leahy / 2011;
- Mentes ansiosas – Ana Beatriz Barbosa Silva / 2011;
- Quatro Gigantes da Alma – Mira y López / 2010;
- Duas Histórias Clínicas (O “Pequeno Hans” e o“Homem dos Ratos” – 1909) – Sigmund Freud.

Google+ Twitter Facebook Delicious Digg Favorites More